Três instituições levam mais de R$2 milhões enquanto Apae, Casa do Menino e outras 13 sofrem

A Campina FM mostrou nesta segunda-feira (16) números que evidenciam a disparidade na arrecadação de recursos entre entidades filantrópicas de Campina Grande. Beneficiadas pela exploração do serviço da Zona Azul, que controla o estacionamento nas vias públicas da cidade, três instituições levantam juntas cerca de R$ 2 milhões por ano, números ainda imprecisos porque a prestação de contas não seria clara, segundo a STTP e o próprio Ministério Público.

Por outro lado, quinze instituições que obtiveram através de lei o direito de receber subvenções sociais do Município não conseguem arrecadar, reunidas, sequer R$ 700 mil por ano. E ainda há um detalhe: estes números consideram o valor que deveria ser repassado às 15 entidades, mas, de acordo com seus dirigentes, não acontece porque o pagamento mensal das subvenções não ocorre de maneira efetiva.

Atualmente, a Zona Azul é explorada pela União Campinense de Equipes Sociais (Uces), a Rede Nacional de Pessoas Vivendo e Convivendo com a Aids (RPN) e a Cooperativa Paraibana de Pessoas com Deficiência. Maior beneficiada, a Uces fica com cerca de R$ 1 milhão por ano. O dinheiro seria empregado pelas três instituições principalmente para o pagamento de pessoal, exatamente os trabalhadores que atuam na Zona Azul.

Enquanto isso, por exemplo, a Apae, que atende 400 pessoas, tem previsão de receber R$ 8 mil por mês; a Casa da Criança Dr. João Moura, que atende crianças carentes, de receber R$ 6 mil; o Instituto dos Cegos, que beneficia cerca de 400 pessoas, R$ 5 mil; o Grupo de Apoio à Vida (GAV), que atende 120 pessoas, R$ 1.500. E outras instituições de relevantes serviços sociais, como Centro de Valorização da Vida (CVV), foram cortadas da lista de subvenções.

LOBBY

Mesmo com toda essa disparidade e apesar da intervenção do Ministério Público, que estabeleceu prazo para que a Prefeitura de Campina Grande realize licitação para exploração da Zona Azul, alguns vereadores estão fazendo pressão para que o sistema seja mantido como está.

Uma das principais alegações é de que a mudança vai colocar na rua os trabalhadores do serviço, que seriam, segundo números não comprovados, cerca de 140 – o que equivale a cerca de 5% do total de beneficiados pelas quinze instituições que dependem de subvenção.

No entanto, em entrevista à Campina FM, o superintendente da STTP, Félix Araújo Neto, assegurou que os trabalhadores não serão demitidos, pois deverão ser aproveitados dentro do novo sistema.

BLOG DO LENILDO FERREIRA

Paulo Pessoa Autor

Deixe uma resposta