ARREMATE: Quatro policiais são presos praticando crimes fardados e usando viaturas na PB

Quatro policiais militares foram presos nesta quinta-feira (27), em João Pessoa, no final da manhã. Eles são suspeitos de tráfico de drogas, apropriação indevida e outros crimes, inclusive não está descartada a possibilidade de envolvimento deles em homicídios. Com eles foram encontradas munições de calibres diferentes, até mesmo de fuzil, e uma substância semelhante a cocaína. Foram presos um sargento e três soldados no âmbito da Operação Arremate. Eles também são suspeitos de tortura.

“Estamos autuando eles em flagrante nessas condições de porte irrestrito. A princípio, eles serão encaminhados ao exame de corpo delito e ao primeiro batalhão. Já havia sido expedido contra eles o mandado de prisão”, disse o corregedor auxiliar da Polícia Militar da Paraíba, coronel Gerônimo.

Ainda segundo o coronel, indícios apontam que os crimes eram praticados enquanto os homens estavam fardados e dentro das viaturas.

“Essa situação passou por uma investigação do Ministério Público. Em ato contínuo, nós fomos chamados pra acompanhar e foi decretada a preventiva desses quatro policiais e hoje essa situação de flagrante delito”, explicou. Os homens foram denunciados de forma anônima. A partir daí foi dado início a investigação.

Nomes e identificação

Segundo o Coronel, a divulgação não se faz possível em razão dos suspeitos estarem em “processo de investigação. Mas, posteriormente isso será comunicado ao juiz para que ele tome as prvidências que forem necessárias”.

Prática de crimes como homicídios

“Tudo é possível. O inquérito policial foi instaurado na corporação para que possamos avançar no que diz repeito a outras práticas criminosas”, destacou o coronel.

Agora, os homens devem seguir “dentro do primeiro batalhão até o juízo”. Eles já estão à disposição da Justiça Militar. “O juiz vai submetê-los a uma audiência de custódia para definir se eles ficam presos ou não”, finalizou.

Blog do PP com Portal T5

Paulo Pessoa Autor

Deixe uma resposta