Prioridade deve ser melhorar a distribuição das linhas e viagens, e não o aumento da frota, alerta o Sitrans

O Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros de Campina Grande (Sitrans) lançou um alerta quanto à política pública mais adequada para buscar promover a melhoria do atendimento da população pelo serviço de transporte público, destacando que esse é um resultado que não será obtido pela mera ampliação do número de ônibus circulando.

De acordo com Anchieta Bernardino, diretor institucional do Sitrans, a prioridade deve ser a otimização da distribuição das linhas e da programação das viagens dos ônibus, de modo a permitir que cada rota atenda uma maior parcela de usuários e possa ser percorrida no melhor tempo possível.

Segundo explica Anchieta, apenas colocar mais ônibus em circulação sem melhorar a distribuição das linhas e das viagens é uma medida de efeito meramente político, que não resultará no aumento do fluxo de passageiros e ainda agravará a crise do sistema, com pressão sobre a tarifa.

“Quando as linhas são adequadamente distribuídas, o custo operacional é menor e o atendimento aos usuários melhora, e isso reflete positivamente na tarifa. Do contrário, o aumento da frota circulante e da quilometragem percorrida sem a devida demanda faz o efeito inverso”, alerta.

“Temos cobrado o respeito aos corredores exclusivos de ônibus porque a maior agilidade de cada veículo significa também menos custos operacionais e maior satisfação do passageiro, ou seja, um transporte público funcionando melhor e custando menos”, complementou Anchieta.

Segundo ele, o Município precisa de maneira urgente implementar um estudo amplo quanto à racionalização do sistema. “Do contrário, medidas que busquem apenas o impacto político somente resultarão em maior ineficiência do serviço e, consequentemente, sua maior fragilização com prejuízo final para o cidadão e a cidade, que têm no transporte público um serviço altamente essencial”, concluiu.

Paulo Pessoa Autor

Deixe uma resposta