Em primeira ação, barreira sanitária identifica testes positivos para Covid-19 em feira de Campina Grande

A Secretaria de Saúde de Campina Grande iniciou na manhã nesta quarta-feira (15), as ações de barreiras sanitárias com testagem da Covid-19. As ações vão acontecer de forma rotineira em feiras, parques, espaços públicos e postos da Polícia Rodoviária Federal localizados nas entradas do município.

A primeira ação aconteceu nesta quarta-feira, na Feira das Malvinas. Dos 128 testes aplicados no local, 111 foram negativos, oito positivos com anticorpos (IGG) e sete positivos em período de transmissão. As pessoas que testaram positivo para a Covid-19 foram orientadas a ficarem isoladas e vão ser acompanhadas pela equipe da Secretaria Municipal de Saúde.

Nesta quinta-feira (16), as barreiras serão realizadas na Feira da Liberdade e na Igreja Verbo da Vida. Amanhã (17), elas acontecerão na Feira Central e no Complexo Plínio Lemos. Já no sábado (18), será a vez da Feira da Prata.

Na semana seguinte, as ações seguirão nos postos da PRF, no Ginásio O Meninão, Parque da Liberdade, Feira do Jeremias, Feira do Severino Cabral e na Feira Central, além de outros pontos que ainda serão definidos. O objetivo é fazer um rastreio da transmissibilidade da Covid-19 na cidade, principalmente em função da variante Delta.

“Estamos fazendo esse bloqueio ampliado, incluindo as feiras e outros espaços, porque a barreira não vai se tratar apenas de uma intervenção de entrada e saída na cidade aeroviária e rodoviária, mas uma análise epidemiológica de grupos e locais para que possamos fazer um isolamento de transmissibilidade. Por isso, vamos avaliar grupos de pessoas que frequentam o mesmo local, mesmos horários, durante vários dias”, disse o diretor de Vigilância em Saúde, Miguel Dantas.

Miguel explicou que as barreiras, nas rodoviárias, também vão atender a este critério. “Não vamos abordar aleatoriamente todas as pessoas que entram e que saem da cidade, mas grupos específicos, como vans, ônibus e assim sucessivamente. Estabelecemos parcerias com as equipes de vigilância em saúde dos municípios que fazem limite com Campina Grande para aplicar essa metodologia”, explicou Miguel.

Paulo Pessoa Autor

Deixe uma resposta