Mulher que matou filho em ritual de magia negra no Cariri paraibano é condenada a 34 anos de prisão

Depois de quase doze horas de julgamento, Laudenice dos Santos Siqueira foi condenada a 34 anos de reclusão pela morte do filho Everton Siqueira durante um ritual de magia negra em outubro de 2015 na cidade de Sumé, no Cariri do Estado. O julgamento, desaforado da Comarca de Sumé, foi realizado no Fórum Affonso Campos, no 2ºTibunal do Júri, sob a presidência do juiz Horácio Ferreira de Mello.
O promotor Osvaldo Barbosa representou o Ministério Público. Os outros três envolvidos também serão julgados em Campina Grande em pauta a ser estabelecida.

ENTENDA O CASO

O corpo do menino de cinco anos foi encontrado em 11 de outubro dentro de uma vala, por trás de uma escola municipal.
Havia um corte do tórax até a virilha.
Além disso, o pênis dele foi decepado e encontrado espetado numa vara.
Cinco pessoas foram presas pelo crime: Laudenice dos Santos Siqueira, a mãe de Everton; o padrasto, Daniel Ferreira dos Santos, conhecido como “xana”; o pai de santo Wellington Soares e Denivaldo Santos Silva, de 37, conhecido como “paulistinha”.
João Batista de Sousa (que tinha problemas mentais e estava no local onde o corpo foi desovado) também foi preso.
Iury Givago, delegado seccional da 11ªDelecacia Seccional de Polícia Civil em Queimadas na época estava em Sumé.
Ele e outros colegas se revezaram nas investigações.
No último dia 05 maio ele concedeu entrevista a Patrulha da Cidade/TV Borborema.

Com Blog do Renato Diniz

Paulo Pessoa Autor

Deixe uma resposta